Sintetizando: Mad Men

Olá, queridos mad nerds!


No post de hoje, vou falar sobre esta série que me viciou, como um Lucky Strike faria a qualquer mulher ou homem nos idos de 1960’s. (Não, não sou fumante.). Ela foi produzida pela HBO e atualmente encontra-se disponível também na Netflix.

mad-menMad Men se inicia justamente com a conquista de Don Draper (Jon Hamm) pela conta da então mais “glamourosa” marca de cigarros da década. Ele é um famoso e voraz publicitário que luta para prospectar os melhores clientes e se destacar mais no ramo.

É com o pano de fundo da agência de publicidade em que Don trabalha que a série nos apresenta a uma das épocas mais bonitas (esteticamente) e controversas da história estadunidense. Num tempo em que o American Way of Life representava o modo de viver ideal para o mundo, a série nos mostra, às vezes sutil e de outras escancaradamente, as fragilidades existentes em tal estilo de vida completamente moralista e preconceituoso e totalmente branco e machista.

Pra mim como mulher, a questão mais mulhereslatente ao longo das sete temporadas foi a ascensão do feminismo e das mulheres se descobrindo como seres importantes no girar da roda, e não reduzidas a administradoras do lar e da boa convivência familiar. Obviamente, o momento retratado é justamente o início (que ainda não se findou) da transição para o empoderamento feminino. Mas o mais assustador é perceber como quase todas – talvez mesmo todas – as questões tratadas nesse sentido se mantêm atuais quase sessenta anos depois. Fizemos um especial da Semana da Mulher em que destacamos Peggy Olson, vivida por Elizabeth Moss, que você pode conferir aqui.

Apesar de tal tema ter me chamado mais a atenção, Mad Men é para todos e fez, faz e fará seu público refletir sobre questões diversas como relacionamento familiar, o peso da carreira, do que se é capaz para atingir um objetivo, amadurecimento, quebras de paradigmas, dentre outros tantos temas. A série toca tão fundo no consciente e no inconsciente de seu espectador por conta da profundidade de seus personagens, que possuem uma linearidade extremamente irregular (entende o que quero dizer??) em seu crescimento, de um roteiro magnífico e de diálogos fantásticos e extremamente reflexivos. Tudo isso aliado a cenários e figurinos impecáveis.

Mad_Men_season_5_cast_photoA maior beleza, porém, encontra-se no subentendido que cada episódio deixa. Chamo a atenção, aqui, para a música que encerra cada episódio, que resume o tom que se queria dar nele, ou mesmo o resume literalmente.

Indico Mad Men a todos aqueles que gostam de um clássico anti-herói misturado com uma dose extrema de sensibilidade.

Se você curtiu esse post, deixe aí seu comentário e siga-nos nas redes sociais!

Imagens de divulgação. Se alguma imagem utilizada for de sua autoria, entre em contato conosco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: